No Banner to display

2
nov 11

Do México para a sua Cozinha: Pan de Muerto – história e receita

 

Minha amiga Mari Gemma de La Cruz esteve viajando pelo México (a trabalho e depois por prazer… hehe) agora em outubro e provou um tipo de pão delicioso, que só é feito nesta época do ano, o chamado Pan de Muerto.

Crédito da foto: Mari Gemma

Então com a palavra minha amiga Mari, ah! e com a Receita também, que a querida conseguiu com um Chef mexicano aqui para o Marido Na Cozinha

O QUE É O PAN DE MUERTO

De julho até 2 de novembro (Dia de Muertos )é preparado um tipo de pão que só se come nesta época: o Pan de Muerto. 

Em visita à Confeitaria Bisquets http://www.lbbo.com.mx/, uma das mais tradicionais da Cidade do México (Calle Francisco Madero), com mais de 60 anos de tradição, provei pela primeira vez este pão. Foi um encantamento à primeira mordida!

Desde então, todos os dias até partir do México comi um Pan de Muerto. O custo para um de 250 g é de aproximadamente 20 pesos mexicanos (mais ou menos 3,50 reais).

A forma do Pan de Muerto é arredondada e sobre ela são colocados pequenos pedaços de massa em forma to de ossos da mão de um esqueleto, remetendo a tradição.

Seu sabor lembra tem um toque de laranja e outras especiarias  segundo o Cheff Jorge Santos do Hostel Mundo Joven  (local em que me hospedei na Cidade do México e que faz parte da rede internacional de Albergues da Juventude.

Aliás, viajar pelo mundo se hospedando em hostel, além de ser uma experiência única, pois compartilhamos com pessoas de vários países e todas têm um objetivo em comum, a solidariedade e camaradagem, tem um custo bem menor que um hotel… mas isto é conversa para outro momento…

A HISTÓRIA E A TRADIÇÃO
No México o dia 02 de novembro é um dos mais festejados no ano e representa uma mistura da religiosidade pré-hispânica (Asteca e Maia) com a católica trazida pelos colonizadores espanhóis, mantendo viva as tradições nativas que foram proibidas pelos conquistadores.

Assisti a um documentário “Maias. Quine son?”, no Museu Nacional de Antropologia do México http://www.mna.inah.gob.mx/ (o maior museu de antropologia do mundo, são mais de 6 horas andando para conhecer sua coleção) e então pude entender a importância desta festa para o povo mexicano. É uma forma de manter viva uma pequena parte da cultura dos maias que foram oprimidos pelos espanhóis.

Nesta tradicional festa, se misturam a saudade pela perda dos entes queridos, posicionamento este ligado aos rituais católicos, com a cosmologia dos não católicos ou indígenas onde a morte é uma passagem para outra dimensão espiritual, onde aqueles que se foram, neste dia mantém um elo de ligação amorosa com os que ficaram na Terra.

Andando pelas ruas de várias cidades mexicanas, vi muitas residências e comércios enfeitados com bandeirolas em papel de seda, recortadas como se fossem rendas com motivos florais, crucifixos, esqueletos e caveiras. Vi altares muito coloridos e cheios de flores e doces, em especial caveiras feitas de açúcar, e também fotos daqueles que partiram. Todo o povo mexicano festeja esta data.

Crédito da foto: Mari Gemma

As caveiras e esqueletos estão presentes não só nos altares, como também nas decorações de lojas e outros estabelecimento comerciais. Há que se lembrar que ambos fazem parte da iconografia maia e asteca encontradas nas escavações arqueológicas, mostrando assim a fusão entre culturas.

No Templo Maior http://www.gobiernodigital.inah.gob.mx/mener/index.php?id=32, onde foram encontradas várias ruínas abaixo das edificações que os espanhóis construíram, sobre a cidade asteca, vemos paredes inteiras esculpidas com crânios que eram representações das oferendas e sacrifícios feitos aos deuses.

A RECEITA DO PAN DE MUERTO
Voltando ao Pan de Muerto… A laranja ou as raspas da casca são muito utilizadas na culinária mexicana especialmente neste pão para trazer harmonia e tranquilidade.

Ingredientes:
1. 600 g de Farinha de trigo
2. 100 g de açúcar
3. 250 ml de leite
4. 1 colher de café de erva doce (semente)
5. Raspas da casca de 1/ laranja
6. 22 g de levedura  (fermento) em pó (ou 35 g de levedura fresca)
7. 4 ovos
8. 100 g de manteiga em temperatura ambiente
9. 2 pitadas de sal
10. 3 colheres de café de água de Azar (como esta especiaria é oriunda do México, pode substituir por 3 colheres de café de  essência de laranja)

Modo de Preparo:
1. Misturar a farinha, o açúcar e o fermento, em uma vasilha
2. Fazer um buraco no meio da mistura, onde serão colocados os ovos inteiros, a essência, a erva doce, o sal, a manteiga e a metade do leite
3. Misturar tudo, no sentido de dentro do buraco para fora (durante 20 a 30 minutos), até formar uma massa sólida
4. Deixar repousar por 1 hora em uma panela untada com óleo, cobrindo com um saco plástico
5. Amassar mais um pouco e formar os pães. Colocar pequenas tiras sobre o pão com o formato de ossinhos (veja foto)
6. Repousar por mais 20 minutos
7. Levar ao forno (180ºC) por 25 a 30 minutos
8. Depois de assados, passar manteiga derretida com um pincel e polvilhar cm açúcar cristal

Agora é só saborear…  aproveitem, pois a tradição diz que é apenas um vez por ano… mas aqui é o Brasil e podemos experimentar outras cores e sabores….

Bom agora vou preparar uma receita bem mexicana também, para o aniversário de meu amigo Pio (músico e professor), esta eu fiz lá no México, mas agora vou adaptar para os ingredientes que dispomos no mercado do peixe em Cuiabá. A receita?  ….  fica para a próxima. Viva  el Mexico!!!  Arriba!!!”

Lembrando que essa Receita foi fornecida pelo Chef diretamente para nossa amiga Mari. Estamos querendo testar e você?

 
Tags: , , , , , ,
mario cristiano garcia disse:

o meu pao ficou otimo

Oi Mario!!!
Seja bem-vindo, obrigada pela visita!
Que bom que seu pão ficou legal.
Tem foto? Manda pra nós!!!
ABraços e ótima semana!
Larissa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado
Campos obrigatórios são marcados com *

  • Copyrigth 2011 - Marido na Cozinha - Todos os direitos reservados.